À Procura da Felicidade

Um dos filmes mais bacanas que assisti nos últimos anos foi o “À Procura da Felicidade”, estrelado pelo excelente ator Will Smith e por seu filho Jaden Smith.

O filme conta a história de vida do empresário e investidor Chris Gardner desde quando ele começou a sua jornada rumo ao sucesso e à felicidade. O filme mostra uma parte muito difícil da vida de Chris Gardner quando ele teve que morar nas ruas junto com seu filho.

À Procura da FelicidadeMe interessei pela história e descobri que o filme tinha sido baseado em sua biografia publicada em livro. Foi o primeiro livro em português que li inteiramente em formato digital (adquirido na Kindle Store brasileira).

Então vamos ao livro…

Primeiro que, como já era de se esperar, o livro é bem mais abrangente com relação à vida de Chris Gardner do que o filme. O livro cobre desde a infância na casa de uma tia, quando recebia visitas temporárias de sua mãe (ela passou alguns períodos presa por ter revidado às agressões de seu marido), e vai até quando ele se encontrou pessoalmente com Nelson Mandela.

O livro tem partes bem pesadas como a que mostra que ele foi vítima de estupro durante sua adolescencia. Mostra as dificuldades de se viver como negro, pobre, vítima de um padrasto violento, etc.

A parte narrada no filme é um trecho bem pequeno do livro (menos do que a metade final).

O filme também “inventa” algumas partes que não aparecem no livro: a parte em que ele resolve o Cubo de Rubik e a parte onde ele cita o trecho da constituição norte-americana que fala sobre “a procura pela felicidade” não aparecem explicitamente no livro. Essas partes podem ter sido incluídas no filme com a ajuda do próprio Chris (que trabalhou como consultor durante as filmagens).

O filme também dá uma embaralhada em algumas partes da história: no filme ele ainda tinha máquinas médicas para vender quando já morava na rua. No livro ele já tinha abandonado o negócio de máquinas médicas e já tinha começado como estagiário em uma empresa de investimentos quando foi morar na rua.

Enfim… o livro é mais completo, real e “cru”. O filme é mais poético. Talvez por isso esse é um dos poucos casos onde acho o filme melhor do que o livro. O filme consegue passar melhor as mensagens de superação, força de vontade e determinação.

À Procura da Felicidade

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano