Conhecimentos fundamentais

Ja faz algum tempo que tenho notado em diversas listas de discussões da área de informática que alguns profissionais de nossa área parecem estar entrando para o mercado de trabalho sem ao menos ter alguns conhecimentos mais fundamentais sobre computação.

Um “Conhecimento Fundamental” não é um “Conhecimento Essencial” mas é extremamente útil ter esse tipo de conhecimento quando se trabalha com qualquer coisa.

Na minha simplória definição um “Conhecimento Fundamental” é um tipo de conhecimento que não necessariamente é aplicado diretamente na resolução de um problema mas que certamente enriquece muito a ‘teia’ de informações disponíveis em nossa mente. Esse enriquecimento faz com que a gente consiga apresentar soluções muito mais criativas e eficientes para determinados problemas.

Para esclarecer um pouco melhor o que eu estou tentando dizer vou citar algumas situações reais que ocorreram com algumas pessoas próximas à mim.

Operações bit-a-bit

Quando eu fiz escola técnica no segundo grau eu tive um professor (Victor) que passou um semestre inteiro explicando aritmética binária, operações bit-a-bit e um básico de lógica booleana (que no semestre seguinte foi complementada de maneira adequada por outro professor).

Nessa época vários colegas de classe ‘matavam’ essa aula porque ela realmente era bastante teórica e pouco prática e esses alunos estavam mais interessados ou em jogar Truco no páteo do colégio ou em ver o último livro de Clipper (que era a ‘sensação’ da época da mesma forma que Java é a ‘sensação’ do momento).

Eu assisti essas aulas e aprendi sobre deslocamento de bits, soma, subtração, multiplicação binária, aprendi como um número negativo era representado binariamente (complemento de dois e afins), e por aí vai.

Quase uma década depois eu e mais algumas pessoas em Curitiba fizemos um teste prático em linguagem C para entrar no meu atual emprego no INdT. O desafio proposto pra mim era corrigir uma função de um compressor de arquivos que fazia deslocamentos de bits e umas operações bit-a-bit com máscaras.

Corrigi a função (estourei um pouco do tempo disponível) e passei no teste. Algum tempo depois um atual-companheiro de trabalho saiu da sala e havia me dito que ele se atrapalhou com o desafio dele (que também envolvia deslocamentos e manipulações de bits) porque ele não lembrava a sintaxe da linguagem C para fazer deslocamentos de bits (>).

Se eu estivesse na mesma situação que ele eu teria solucionado o problema usando uma ‘alternativa’ à sintaxe da linguagem C e faria sucessivas multiplicações e divisões por 2 que fazem com que os bits se desloquem para à esquerda e direita respectivamente.

Esse foi um caso real onde um “Conhecimento Fundamental” teria ajudado esse meu amigo. De qualquer forma ele se deu bem no restante do teste e hoje ele trabalha aqui do meu lado.

Recursividade

A algum tempo atrás precisei desenvolver um pequeno script pra um provedor de internet que calcularia o valor com pulsos gastos pelos assinantes desse provedor para que posteriormente fossem oferecidos produtos de banda-larga para clientes que fazem uso maior de internet.

No momento em que estava pensando na forma que eu resolveria esse problema (que eh desnecessariamente complicado) emergiu dos fundos de meus “Conhecimentos Fundamentais” as minhas aulas sobre recursividade. Usei uma prática muito simples de ‘dividir e conquistar’ as ligações que encaixavam em diversas categorias diferentes de tarifação chamando a mesma função de cálculo recursivamente.

Evidente que esse script não prevê todos os casos e situações diferentes com as quais uma operadora de telefonia precisa se preocupar mas serviu adequadamente para resolver o problema em questão.

Recentemente um amigo que presta serviços para um provedor de internet que pertence à uma operadora de Telecom me disse que a equipe de desenvolvimento dessa empresa estava ‘batendo cabeça’ a várias semanas tentando resolver o mesmo problema.

Eram desenvolvedores que não possuem “Conhecimentos Fundamentais” para exercerem suas funções. Passei esse script para que o pessoal usasse.

Conhecimentos Fundamentais não envelhecem

Os profissionais de informática hoje perdem muito tempo escolhendo uma faculdade ou outra, um curso ou outro porque uma delas usa Windows e a outra Linux. Uma usa Java e a outra .Net. Algumas ainda usam Pascal e outras começam a usar Python. Os alunos ‘brigam’ com seus professores para que os mesmos ensinem Java ou C# mas nunca brigam com eles pedindo para que explique sobre Autômatos Finitos ou máquinas de Turing.

Saber Java ou C# hoje é o mesmo que ter sabido Clipper ou Cobol à alguns anos atrás. É um tipo de conhecimento que ‘envelhece’ e perde o sentido. Não é um conhecimento desnecessário, mas a aquisição desse tipo de conhecimento deveria ter uma prioridade menor do que os “Conhecimentos Fundamentais”.

Fundamentar o conhecimento é algo imprescindível que torna mais fácil, inclusive, adquirir outros tipos de conhecimentos.

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano