Filtros bolha e a diversidade de opinião

Nos últimos dias tenho feito algumas experiências e estou tentando viver sem o Google. Sério… é bem difícil e tem algumas coisas que eles fazem que estão se provando insubstituíveis.

A razão para eu tentar me livrar do Google é o temor de ficar tão dependente de um serviço deles e eles simplesmente resolverem descontinuar como fizeram com o Code Search, Reader, entre outros. É muito mais uma questão de confiabilidade do que privacidade, monopólio, etc.

Uma das coisas difíceis de se substituir é o Google Search. Principal produto da empresa. Para essa tarefa eu escalei o DuckDuckGo que, apesar do nome inusitado, já havia se motrado um excelente buscador em testes que eu havia feito anteriormente.

O DuckDuckGo tem duas “funcionalidades” interessantes. Uma delas é um respeito maior à privacidade de seus usuários. A outra é a ausência de filtros bolha.

Quando fui avaliar melhor a questão relacionada a filtros bolhas meu cérebro tomou uma linha de raciocínio que seguiu em direção à diversidade de opinião e a tolerância que temos à essa diversidade.

Vou tentar usar fatos atuais para ilustrar a minha linha de raciocínio e para isso terei que trabalhar com assuntos polêmicos relacionados à amor, ódio, religião, ateísmo, homossexualismo, etc.

Também vou partir da premissa de que todo mundo na internet, hoje, tem opiniões fortes sobre todos os assuntos. Dos royalties do petróleo ao dinheiro gasto para mandar a Curiosity para Marte.

O conceito de “filtro bolha” que o Google Search implementa faz com que assuntos que tenham mais relação com o seu histórico de pesquisa tenha um ranking melhor do que algo que não “combine” com você.

O resultado desse comportamento é que o Google Search vai sempre lhe oferecer “mais do mesmo” ao longo do tempo e aquilo que diverge das suas opiniões vai simplesmente sumindo dos resultados criando uma “bolha protetora” de opiniões.

Nas redes sociais isso também acontece mas de uma maneira mais explícita: você oculta as opiniões divergentes, o sistema ‘aprende’ que você não gosta daquilo e nunca mais te manda informações daquele tipo (ou daquela pessoa).

Frequentemente me pego “censurando” alguns posts nas minhas timelines quase que de modo inconsequente.

Sou ateu (mesmo) e acho que todos podem crer ou, como no meu caso, não-crer, no que lhes deixam felizes.

Sou heterossexual mas entendo o homossexualismo sob o aspecto cientifico dos estudos que dizem que as pessoas são homossexuais e não se tornam homossexuais por opção (ou com o passar dos anos).

No espectro político eu piso um pouco mais à esquerda do que à direita e tenho vínculo com um partido político que representa essa posição. Apesar disso sei que existem virtudes na “direita” e pessoas extremamente inteligentes que trafegam nessa vertente.

A minha linha-mestra de pensamento: se você está feliz e não está me tornando infeliz você pode fazer e acreditar no que achar melhor.

Apesar disso sou humano e cometo erros de julgamento e avaliação.

Recentemente, com a chegada de um pastor evangélico fundamentalista à presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, as redes sociais estão fervendo com assuntos relacionados à cristianismo, laicismo, homossexualismo, racismo, e outros “ismos”.

Pra mim, na minha timeline, é um festival de surpresas e decepções com pessoas que fazem parte do meu “círculo virtual de amizades”. Até aí não tem nada de errado. O problema aparece é na escolha dos critérios que te fazem ficar surpreso ou se decepcionar.

Sendo ateu eu poderia me decepcionar com uma pessoa quando ela defende parcimoniosamente o discurso do tal pastor demonstrando trechos bíblicos que corroboram tais opiniões (mesmo sabendo que com trechos da bíblia é possível corroborar qualquer tese). Essa pessoa é crente e tem pra ela que esse livro é sagrado, logo, tem força maior que a “lei dos homens”.

Mas eu não posso me decepcionar com essa pessoa e censurá-la na minha timeline porque, com isso, estaria alimentando o meu filtro bolha e mandando a diversidade de opinião às favas. No lugar de censurá-la eu prefiro debater com essa pessoa ou simplesmente deixá-la com suas opiniões, afinal, ela deve ser feliz com aquele pensamento.

Agora vamos para outra hipótese: esse mesma pessoa que citou a bíblia me decepcionaria muito se usasse uma mentira, um estudo científico duvidoso, uma fonte de origem duvidosa, ou até mesmo usar desonestidade intelectual para, por exemplo, “provar que homossexualismo é errado”.

Eu tenho duas reações possíveis com pessoas que me decepcionam dessa forma. Se a pessoa é muito cara para mim eu rebato o post dela para tentar desmenti-lo. Se a pessoa “não cheira nem fede”, ela será censurada. Mas veja que eu censurei essa pessoa por ser desonesta e não por ser crente.

Qualquer tipo de censura cria o efeito “bolha” mas a bolha que eu criei é uma bolha de segurança para me proteger contra pessoas desonestas e não pra me privar da diversidade de opinião.

Além dessa censura aos desonestos eu também censuro, com menos frequencia, os “ativistas”. Censuro eles não pelo que pensam e defendem mas pelo excesso. É uma questão puramente prática: tenho um limite de tempo para ver a minhas timelines. Se elas estão monopolizadas pelos “ativistas” fica difícil ver os posts de todo mundo.

Além disso, ativistas, sejam felizes com o que pensam e defendem e me deixem ser feliz com o que penso e defendo. Parem de se comportar como Testemunhas de Jeová oferencendo a palavra do senhor.

Quanto ao caso do tal pastor: não acho que ele seja adequado para a tal comissão e acho que ele deveria sair de lá. Mas não devemos ser desonestos para atingir esse objetivo.

Não concordo com uma palavra do que dizes, mas defenderei até o ultimo instante seu direito de dizê-la.

Voltaire (ou não)

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano