GP Brasil 2008 de F1, eu também fui…

Então… desde o começo do ano eu estava planejando essa viagem. Pra ser honesto estou planejando isso desde o ano passado mas só comprei os ingressos no começo deste ano.

Eu fui!
Eu fui!

E então chegou o tão esperado fim-de-semana e eu fui ver uma das corridas mais emocionantes das últimas décadas.

Pra ser perfeita precisava ter 10 gotas a menos de chuva no final. Tá ok… talvez alguns milhares de gotas a menos fossem o necessário para que a Toyota do Glock não perdesse tanto rendimento na última curva.

Eu fiquei no setor “G” da pista de Interlagos. O setor “G” ocupa todo o espaço da reta oposta. Estava lotado.


Interlagos vista de um helicóptero…

Mas vamos começar pelo sábado. Dia de treino e classificação.

Chegamos no autódromo para assistir ao treino da manhã e sentamos bem no meio do setor “G” de onde conseguíamos ver a saída dos boxes e bem ao longe o fim da reta onde, obviamente, tinha uma curva 🙂

Se esse negócio de ficar arrepiado é coisa de boiola o barulho de um F1 ‘enviada’ qualquer macho. Escutá-los reduzindo a marcha no fim da reta então faz os boiolas virarem mulher.

Algo que você só escuta lá: quando reduzem a marcha você consegue ouvir alguns ‘estouros’ do motor e um ronco grave que mostra que alí dentro tem um motor de verdade e não uma negócio qualquer que ‘grita fino’.


McLaren saindo dos boxes para volta de aquecimento

Os carros correm tanto que a foto acima deve ter sido a vigésima tentativa. Não lembro se essa McLaren era do Hamilton ou do Kovalainen. Só lembro que era saída dos boxes (não era velocidade máxima).

Terminado o treino da manhã já dava pra ver que o Massa estava bem e que o Hamilton estava na cola dele.

Algumas atividades acontecem nos intervalos entre um treino e outro. Corrida de Porches, Fórmula BMW, corrida de Masserati (muito massa), e o desfile de alguns endinheirados que pagam para fazer test-drive de Porches dentro de Interlagos. Passam com umas mulheres bonitas na carona, dirigindo um Porshe e acenando para a torcida na arquibancada.

Aliás, esse negócio de “dinheiro” lá é muito sério. Helicóptero trazendo gente para o autódromo de minuto em minuto, cerveja a R$4,50 (sem direito a profissional do sexo), espetinho de carne por R$4,00 (que se compra por R$0,50 aqui perto de casa) e o ingresso mais barato custa R$300 (antecipado) para um dia e te dá direito a frequentar um banheiro químico com uma bela vista de ‘submarinos’ boiando. Lamentável.

Lojinhas da Ferrari com souvenirs fazem a gente babar…


Boné da Ferrari: R$100, Pin: R$10, Sacolinha de plástico com emblema da escuderia: Não tem preço.

… e comprar 🙂

E tudo isso só no dia do treino… Aliás no treino classificatório o Massa ficou com a pole position e o Hamilton só em quarto. Bom pro inglês que não precisava mais do que isso pra ser campeão do mundo.

Ah! E o dia estava extremamente ensolarado e quente. Ano que vem (sim, eu vou lá em 2009) eu vou passar protetor solar mesmo se a corrida for noturna. Não é legal ficar assim:


Ai!

Para ir para a corrida, no domingo, acordamos de madrugada porque queríamos ficar bem à esquerda do setor “G” de onde era possível ver todo o “S do Senna”, local onde muitas vezes uma corrida, e nesse caso o campeonato, se decide.

Das 7hs da manhã quando chegamos à arquibancada até as 15hs quando começaria a corrida passa-se um longo período sentado, no sol, na chuva, entediado, etc. A chatisse só diminui um quando tem as ‘atividades paralelas’ como a corrida de fórmula BMW, Masserati e G3.

Aí os pilotos fazem uma volta em cima de um caminhão…


Desfile dos pilotos…

… depois eles saem um a um para a configuração do grid (o Felipe sobe 5 marchas num espaço de 100m da marca branca no chão)…


Vai Felipe!

…e então, no momento da volta de apresentação, despenca uma chuva forte em Interlagos. Só o suficiente para molhar a pista.

O Safety Car dá uma volta na pista pra verificar como ela ficou e então a direção de prova opta por atrasar a largada em 10 minutos.

Eu perdi as fotos e o vídeo da largada porque estava tão ansioso com o momento que apertei todos os botões errados do meu celular 🙂

Mas a única coisa que aconteceu no “S do Senna” foi um estranhamento entre Nakagima, Couthard e Piquezinho que forçou a entrada do Safety Car na pista.


Manja como eles estão devagar…

Depois disso eu não tirei mais fotos nem fiz mais vídeos pois precisava acompanhar a corrida (num autódromo você é quem fica responsável por ‘trocar de câmera’ para saber o que está acontecendo).

Quando o Felipe Massa passou pela linha de chegada o setor “G” inteiro começou a pular e a gritar “Campeão!”… O Felipe então para o carro na entrada da reta oposta para pegar algo (devia ser uma bandeira) com os fiscais de prova e então no som da rádio Band News (que é a locução oficial no autódromo) começa a gritar: “Hamilton Campeão! Hamilton é Campeão!” e eu não entendo mais nada…

O Massa, então, passa na nossa frente e o setor “G” começa a esmurecer… todos começam a perguntar entre si o que tinha acontecido afinal…

O único trecho que não é visível no setor “G” é justamente o ponto onde o Hamilton ultrapassou o Glock.

A torcida então começa a gritar o nome do Massa… e eu vou embora… na chuva. Muita chuva.

Dicas pro ano que vem:

  • Comprar ingresso pro setor M (mas só se for numerada)
  • Levar capa de chuva
  • Levar uma TV portátil
  • Levar uma câmera com 12x de zoom
  • Levar um binóculo
  • Levar litros de protetor solar
  • Não perder o cartão de crédito
  • Levar guarda-sol ou um sombreiro

Tem umas fotos ‘bônus’ no meu flickr.

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano