O Melhor da Internet…

… pelo menos na minha opinião 🙂

Desde criança fui uma pessoa curiosa. Na época eu era chamado de “nerd” ou de “CDF” (pra ser nerd hoje basta gostar de Star Wars).

Procurar informações para satisfazer essa curiosidade nos anos 80 significava garimpar informações como um mineiro procura por ouro. A gente usava bancas de revistas, bibliotecas, sebos, livrarias, televisão, rádios, etc. E boa parte disso só estava disponível para quem podia pagar.

Mesmo sendo trabalhoso era bem divertido e gratificante buscar informações desse jeito. A gente ia atrás das informações e não o contrário.

Online: information overload

A primeira vez que consegui uma informação no mundo digital foi via BBS. Fiquei superfeliz por encontrar a lista de interrupções do Ralf Brown. Uma BBS tem toda informação que cabia em alguns CDROMs no computador do dono da BBS e isso já era muito mais do que um ser humano curioso podia lidar.

Quando tive contato com a Internet, com os buscadores (Cadê?, Yahoo!, …) e, posteriormente, com os feeds a coisa saiu do controle. Hoje eu tenho na minha lista de leitura uma quantidade de conteúdo suficiente para consumir durante toda minha vida. E a coisa não para de crescer.

Hoje eu assino vários feeds, sigo várias pessoas importantes, assino muitas newsletters e uma boa fila de livros para ler… o volume de informações que chega é absurdo e, por causa disso, precisei criar algumas regrinhas para melhorar a gestão disso tudo.

Gestão de consumo de informação

Uso três técnicas para me ajudar nessa tarefa: filtragem humana, fila de leitura, deduplicação e priorização por pares.

Filtragem humana

A quantidade de informação para ser consumida cresceu de modo tão intenso que precisei criar mecanismos para filtrar só aquilo que fosse relevante. E é aí que o bicho pega. Se antigamente era difícil garimpar informação na escassez o mesmo se mostrou muito mais difícil na abundância.

Alguns sistemas digitais até te ajudam nessa tarefa (ex. buscadores) mas nada supera os sistemas de “computação humana” (Human Computation).

Quando o Google Reader existia e tinha a funcionalidade de compartilhar artigos entre os seus usuários comecei a implementar um tipo de “filtragem humana”. Descadastrei de vários feeds que meus amigos acompanhavam e passei a ler apenas o que eles compartilhavam. Exemplo: eu assinava o feed do XKCD junto com outros colegas e eles viviam compartilhando as melhores tirinhas. Descadastrando o feed e seguindo esses colegas eu teria disponível só às melhores tirinhas e controlaria o aumento da minha fila de leitura.

Hoje eu faço isso com o Twitter. Dou follow em amigos que seguem sites importantes e sigo alguns sites importantes para compartilhar o conteúdo com eles. O interessante é que ninguém planejou isso. Foi algo criado organicamente.

Outra forma de filtragem humana é a “editorial”. Alguém muito bem informado ou comunidades se reunem para determinar a relevância das informações.

Os sites que melhor trabalham isso em comunidades são os agregadores (ex. Hacker News, Reddit, …) e sites de QA (ex. StackOverflow, Quora, …). Já as pessoas que fazem esse trabalho de forma individualizada, geralmente, usam blogs ou newsletters.

Fila de leitura

Não dá pra parar para ler todas as coisas interessantes que aparecem no momento que elas aparecem. Digo mais: não dá nem para avaliar se essas coisas são importantes ou não. Então eu faço o básico: mando o link direto para minha fila de leitura.

Uso o Instapaper como ferramenta para gerenciar essa fila mas também tem o Pocket. Acho que o Pocket é tecnicamente melhor mas o importador deles é uma porcaria e como o Instapaper me atende satisfatoriamente continuo com eles.

Tenho Instapaper no celular e usava a funcionalidade de exportar para Kindle (parei porque o kindle também já está entupido de coisas pra ler).

A tática para manter a lista de leitura em um tamanho administrável é: algumas vezes por semana tenho como objetivo ler mais artigos do que adicionei desde a última pausa para leitura.

Nem sempre é possível cumprir essa meta e o resultado é que tenho aproximadamente 400 artigos para ler.

Deduplicação

Se percebo que uma fonte de informação está só duplicando informações que já chegaram até mim por outras vias eu reavalio esse canal. Se o nível de duplicação que ele acrescenta é grande eu simplesmente desligo esse canal.

Priorização por pares

Eu priorizo a leitura do conteúdo pelo número de pares (pessoas) que recomendaram o mesmo material. Exemplo: três amigos cuja opinião literária eu respeito muito indicaram o mesmo livro (ebook). Isso e o fato de que Ridley Scott está fazendo um filme com a história desse livro obviamente fizeram eu comprá-lo e começar a ler.

O Melhor da Internet

Com esse método acabo esbarrando em coisas muito interessantes que acabo compartilhando no meu Twitter. Mas para facilitar a vida das pessoas resolvi criar uma newsletter: O Melhor da Internet.

Agora você pode me usar como filtro humano 😀

Quinzenalmente farei um resumo contendo links e uma breve descrição dos melhores artigos e sites que vi desde que comecei a usar a internet. Vou priorizar material recente mas posso incluir coisas antigas que sejam relevantes. Esse resumo será enviado para o email dos assinantes que se cadastrarem no formulário abaixo.

Os tópicos principais serão:

  • Programação – Python, Django, Web, TDD, …
  • Empreendedorismo – side-project, bootstrap, lifestyle business, passive-income-de-verdade, …
  • Carreira – produtividade, boas práticas profissionais, …
  • “Off-topic” – DIY/eletrônica, retrocomputação, jogos, tirinhas, …

[mc4wp_form]

O plano é publicar a primeira edição sai no dia 21 de julho de 2014.

Foto: lecates

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano

  • Muito bom! passo por vários casos desses! hahah acabei de assinar e vou divulgar bastante! Parabéns!