Regulamentação da nossa profissão

Esse é o assunto polêmico do momento. Parece que se fala disso em todos os sites de tecnologia do momento mas acredito que a minha opinião sobre esse assunto ainda não apareceu em nenhum deles.

Por essa razão vou escrever a minha opinião sobre o tema aqui no meu blog para que as pessoas que pensam o mesmo que eu possam se manifestar sobre o assunto.

A minha opinião sobre a tentativa de regulamentar as profissões ligadas à informática é: eu não me importo.

Sério. Eu não me importo se a profissão na qual eu trabalho vai ser regulamentada ou não. Porque eu não me importo com isso? Porque eu estou me formando e já trabalho a mais de 5 anos na área. Para as pessoas nessa situação nada vai mudar.
O cenário onde nossa profissão não é regulamentada é o que vivemos hoje, logo, não vou me alongar muito nas explicações sobre ele e falarei mais sobre o cenário hipotético onde a regulamentação exista.

Hoje um profissional da área que busca o seu lugar no mercado de trabalho se apresenta aos pretensos contratantes munido de todo o seu histórico profissional, ‘luta’ contra os outros candidatos e, no final, ganha ou perde a batalha (ou emprego).

Na ponta do contratante as variáveis usadas para escolher um candidato para a vaga aberta são muitas. Tem empresa que pede diploma, outras pedem *um bom diploma* e outras nem pedem um diploma. Algumas outras pedem certificações caras, outras pedem certificações baratas e algumas não pedem certificação. Algumas pedem experiência, outras pedem exageros de experiência e outros exigem inexperiência(!).

Mas tem algo que o contratante pede que é sempre uma constante: qualidade. A qualidade é uma característica ortogonal à todas as outras já mencionadas. A falta dela também. Então existem profissionais bons diplomados e não diplomados, Profissionais ruins certificados e não certificados e todas as outras combinações possíveis.

No cenário onde a regulamentação existe teríamos um grupo só com os profissionais diplomados ou com algum tempo de experiência que seriam carimbados com o selo “Regulamentado!”.

Pois bem, em que isso mudaria a vida dos contratados? Se eu não sou ‘regulamentado’ eu só conseguiria empregos onde a ‘regulamentação’ não é necessária restringindo aí as suas chances de ser contratado. Se ele for um bom profissional ele vai numa dessas ‘uniníquel’ estuda uns 2 ou 3 anos lá, pega um ‘canudo’ e grampeia junto com o Curriculum e tudo está resolvido. Só não pode esquecer de pagar a mesada para o órgão da categoria que seria criado à reboque da regulamentação.
Se o profissional não-regulamentado for muito bom *mesmo* e uma empresa o recusa por essa razão o azar é da empresa. Ela que se dane sozinha. Sorte do profissional também por não ter que trabalhar em uma empresa que considere o carimbo de “Regulamentado!” mais importante do que as qualidades do profissional.

Os profissionais regulamentados tem a ilusão de que com a regulamentação deixará de existir a concorrência desleal dos “Sobrinhos do Tio” que fazem um trabalho meia-boca por ‘délão’. Se fosse assim não teríamos mais abortos clandestinos no país, muito menos venda de medicamento sem receita, etc.

Não podemos nos esquecer que as empresas que querem pagar pouco sempre vão pagar pouco não importando se o profissional é regulamentado ou não ou se a qualidade do trabalho será boa ou não (Vale lembrar que a regulamentação também não garante a qualidade do serviço).

E na vida dos empresários, o que mudaria? Pouca coisa também. Se ele contratar um profissional regulamentado e o serviço for ruim o que acontece? Denunciá-lo por maus serviços é o mesmo que denunciar um médico por erro médico: você pode até ganhar alguma recompensa, mas o estrago já foi feito.
E se ele não faz questão de ter um profissional regulamentado ele vai contratar essa pessoa de qualquer jeito. Mesmo que seja para registrá-lo como ‘lavador de pratos’. Se eu fosse empresário eu não daria a mínima importância para o carimbo de “Regulamentado!” de um profissional porque estaria restringindo as minhas alternativas de contratação e fazendo isso quantos bons profissionais não-regulamentados eu estaria perdendo?

Eu faço faculdade e sei que isso não atesta a qualidade de um profissional. Também já fiz certificação e sei que isso também não atesta a qualidade de um profissional. Não vai ser um carimbo “Regulamentado!” que fará isso ser diferente.

E se a regulamentação não vai mudar em nada porque eu deveria me preocupar com ela?

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano