Como garantir um emprego de desenvolvedor

Foto: Robert Lowe

Post rápido e ligeiro com uma lista de atributos que certamente vão garantir a sua vaga como desenvolvedor em qualquer empresa que valha a pena trabalhar.

Cada atributo tem um dos graus de importância abaixo (do mais importante para o menos importante):

  1. Vital – característica mais do que essencial para vagas de desenvolvedor ou para qualquer outro tipo de posição.
  2. Essencial – característica imprescindível para um desenvolvedor.
  3. Importante – característica importante mas não imprescindível. Pode-se contratar um desenvolvedor que não tenha essa característica desde que haja um compromisso do mesmo em desenvolvê-la.
  4. “Plus” – não faz muita diferença mas pode ser uma característica que pode desempatar (a favor de quem a tem) numa disputa entre dois ou mais candidatos.
  5. Desnecessária – não faz diferença alguma.
  6. Condenável – característica que pode depor contra a sua candidatura.

O que está escrito aqui é a minha visão sobre o assunto. Algumas empresas contratantes podem divergir no grau de importância de cada atributo. Outras, por questões legais, podem exigir determinada característica listada como:

  • Comunicação (vital) – comunicação escrita e verbal, capacidade de argumentação e de expressar idéias e conceitos.
  • Prazer em programar (vital) – você programa nas horas vagas? Não? Então desista. Corra atrás de trabalhar com aquilo que você faz nas horas vagas. Todos ficarão gratos.
  • Prazer por aprender coisas novas (vital) – Veja… eu disse “prazer por” e não “interesse em”.
  • Inglês para leitura (vital) – não dá mais tempo de esperar por traduções de documentação.
  • Programação (essencial) – tem que saber teoria e prática. Conhecer algoritmos, estruturas de dados, conceitos de OO, paradigmas de programação, teoria da computação, matemática, …
  • Familizarização rápida com ferramentas (essencial) – você é capaz de corrigir um bug numa aplicação escrita numa linguagem que você não conhece em quanto tempo? Consegue produzir código numa linguagem nova em menos de uma semana?
  • Inglês para escrita (essencial) – grande parte dos softwares, bibliotecas e sistemas que usamos hoje são desenvolvidos por estrangeiros. Freqüentemente precisamos trocar um e-mail com esses desenvolvedores.
  • Conhecer bem ao menos uma linguagem (essencial) – essa linguagem varia de acordo com o que você deseja desenvolver, mas ela tem que ser uma espécie de ‘segundo idioma’ seu. No meu caso essa linguagem é Python, mas poderia ser outra.
  • Inglês conversação (importante) – grande parte dos lugares bacanas pra se trabalhar, hoje, são estrangeiros, tem filiais fora do país ou estão contratando estrangeiros pros seus times. Poder conversar com eles é importante.
  • Ter familiaridade com ‘linguagens chave’ (importante) – algumas linguagens de programação estão presentes em tantos lugares que não é mais possível desconhecê-las: assembly de pelo menos 1 plataforma, C, Shell Script, linguagem funcional (fico devendo essa :D), linguagem OO (Java, Smalltalk, Python, Ruby, …).
  • Participação em projetos FLOSS (importante) – universo perfeito para exercitar, experimentar, participar, desenvolver, aperfeiçoar, … todas as características listadas aqui. Alguns lugares onde trabalhei sequer pedia curriculums para contratar um desenvolvedor e usavam só a participação dos mesmos em projetos FLOSS
  • Formação acadêmica (plus) – desde que seja numa boa faculdade (USP, Unesp, UNICAMP, UF*, UTF*, PUC*, …) podem indicar que os alunos aprenderam alguns fundamentos importantes de programação. O convívio social dos alunos para estudo, execução de projetos e trabalhos também acrescenta.
  • Certificações (desnecessária) – empresas que pedem ou avaliam certificações não podem ser empresas onde valha a pena trabalhar. Empresas que usam certificações são aquelas que são incapazes de avaliar corretamente os candidatos e ‘terceirizam’ essa tarefa para as entidades certificadoras. Uma empresa incapaz de avaliar um candidato não pode ser capaz de lhe dar boas condições de trabalho.
  • “Corporacionismo” (condenável) – profissionais que falam “frases que agregam valor e aumentam a sinergia do time junior de colaboradores” ou que acham fundamental a existência de uma regulamentação no mercado de trabalho de TI geralmente são aqueles que não querem ou não conseguem se destacar como desenvolvedor por conta própria e precisa de uma ‘mãozinha’ do governo pra isso.

Esse artigo descreve algumas características que um desenvolvedor deve ter para conseguir um emprego. Mas se o desenvolvedor quiser empreender e montar o seu próprio negócio, ele precisa das mesmas características? Sim, mas com graus de importância diferentes. Além desses atributos são necessários alguns outros que tentarei abordar em outro artigo.

Gostou desse artigo?

Assine a minha newsletter quinzenal e receba artigos sobre Programação, Python, Django, carreira e empreendedorismo.

[mc4wp_form]

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano