Imagem com uma carteira de trabalho e um teclado de computador e dois quadrados ligados por uma seta: Programadores seta Vaga dos Sonhos

Conseguindo um emprego em TI

Esse artigo é uma adaptação do meu vídeo no YouTube.

Neste artigo, vou falar sobre como conseguir um emprego em uma empresa de tecnologia. Vou colocar aqui algumas dicas partindo da visão de quem já esteve dos dois lados do balcão: o lado de alguém que já procurou uma vaga e o lado de quem já contratou profissionais de desenvolvimento de software.

Também vou trazer alguns tópicos aqui para vocês terem atenção no momento em que vocês forem participar de um processo seletivo.

Primeiro de tudo é preciso dizer que mesmo eu, que já tenho uma experiência grande em TI, ainda falho em alguns processos seletivos.

Quando participa de um processo seletivo e não passa nele, a causa nem sempre é relacionada com a nossa capacidade técnica ou intelectual de trabalhar para aquela empresa.

Geralmente, isso acontece quando a gente não tem um alinhamento cultural, alinhamento de posicionamentos ou outras características. Então, não passar em um processo seletivo não significa que você falhou, significa que você tem pontos que você pode melhorar ou aperfeiçoar. Sempre que você reprovar em um processo seletivo, entenda isso como uma oportunidade de melhorar para a próxima tentativa e não como uma incapacidade.

Preparação

Uma coisa importante para participar de processos seletivos é estar sempre se preparando, estudando, vendo quais tecnologias as empresas estão usando e acompanhando o mercado de vagas, entre outros.

Quem está participando de processos seletivos também precisa manter sua presença na internet bem atualizada, ou seja, manter seu perfil no LinkedIn e no GitHub sempre bonito, organizado, com seus projetos mais importantes em destaque. Não se esqueça de deixar seus contatos disponíveis para os recrutadores conseguirem te encontrar mais fácil.

Mantenha sempre seu currículo atualizado, revise sempre, peça recomendações para seus colegas de trabalho, atualize seus cursos, treinamentos e as atividades que você tem feito ultimamente. Isso sempre será útil quando um recrutador bater o olho no seu perfil.

É legal manter sempre uma wishlist, uma lista de desejos, de empresas que você acha bacana. Empresas com um produto bacana, que usam tecnologias nas quais eu tenho interesse, que possuem uma cultura alinhada com seus valores, etc. Eu tenho uma lista dessas empresas que eu gostaria de trabalhar.

Crie essa lista de desejos, mas entenda o momento da sua carreira. Se você é um iniciante e a empresa contrata pessoas mais experientes, é importante estar ciente de que o momento certo para tentar uma vaga ainda não chegou. Mas não deixe isso te intimidar também. Às vezes, é legal correr um certo risco. Vou falar um pouco mais sobre isso mais adiante.

Processos Seletivos

Quando estamos precisando muito de um emprego, é interessante participar de vários processos de forma simultânea e, para isso acontecer de forma saudável, é preciso tomar alguns cuidados:

  1. Priorize os processos de modo a conseguir dar a atenção necessária a todos eles;
  2. Limite o número de processos simultâneos (o meu limite é 3, o seu pode ser maior ou menor). Processos com testes práticos podem pedir projetos que exijam um tempo grande;
  3. Qualidade é mais importante que quantidade;
  4. Organize os processos seletivos em um Kanban.

Faça um quadro no Kanban e crie um calendário dedicado. O Kanban pode ter as seguintes colunas:

  • Contactar – empresas que você ainda precisa contactar para uma vaga.
  • Entrevista Inicial – processos que já tem uma data/hora para a entrevista inicial.
  • Teste técnico – processos que já tem um teste prático com prazo para realização e finalização.
  • Entrevista Complementar – processos com outras entrevistas complementares.
  • Aguardando Resposta – processos finalizados onde você espera por uma resposta da empresa.
  • Aprovado – a vaga é sua!
  • Reprovado – a vaga ainda não é sua. Peça feedback do contratante e anote o motivo da rejeição. Se a empresa possibilitar um novo processo futuro, é bom anotar a data aqui.

E se você está com uma dúvida entre duas ou mais empresas, tente manter a negociação com as duas empresas no mesmo pé, se você se sente confortável com isso. Lembre-se de que é legal informar para todos os recrutadores que você está participando de outros processos em paralelo.

Entrevista

Treine bastante para as entrevistas. As orientações são bem simples:

  1. Jamais minta. Omitir é permitido. Mas recrutadores são ótimos em trazer omissões para superfície.
  2. Tenha explicações claras e objetivas para eventuais “problemas” no seu curriculum:
    • Períodos de permanência muito curtos em empresas;
    • Intervalos vazios no curriculum;
  3. Algumas empresas ainda fazem perguntas pessoais para os candidatos (principalmente no Brasil). Gostaria de dizer que você não precisa responder elas, mas eu estaria mentindo. Se você não quiser responder algo, tente preparar uma resposta bem limitada.
  4. Passe a impressão de que você está no processo seletivo porque quer trabalhar na empresa. Falar mal de oportunidades anteriores sempre pode causar problemas.
  5. Fale sempre de suas experiências sem emitir juízo de valor. No lugar de “o processo lá era muito ruim e por isso os prazos estouravam”, prefira usar “era muito difícil cumprir os prazos lá. O processo de priorização era muito simples e era centralizado na gestão”. Note que você não qualifica os problemas, mas traz os fatos. O recrutador vai saber interpretar esses fatos e ver os problemas.
  6. Se pedirem a sua opinião sobre uma experiência anterior, é importante evitar julgamentos de valor ou qualificações rasteiras. No lugar de “eu acho que a gestão era uma porcaria e por isso as prioridades eram uma bagunça”, prefira usar “eu acho que era bem difícil entender bem as prioridades do time porque o gestor não colocava elas com clareza”.
  7. Atraia a atenção do recrutador para os pontos positivos do seu curriculum. Se ele pergunta algo sobre um projeto problemático, é importante responder e tentar complementar a resposta com um contraponto de outro projeto onde o problema não existia. Exemplo: “Vi aqui que você trabalhou só em um projeto nessa empresa, você teve alguma outra experiência além dessa?” e você responde: “Sim, eu trabalhei só nesse projeto porque ele era importante para a empresa e eu conhecia ele muito bem. Então era muito difícil para eles me colocarem em outros projetos… entretanto, na empresa XPTO eu me envolvi em vários projetos que precisavam ser criados… “.

Entrevista Técnica ou Teste Prático

Do mesmo jeito que recomendo treino para entrevistas, é interessante investir um tempo treinando para as entrevistas técnicas ou para os testes práticos.

Treine algoritmos, estruturas de dados, linguagens, framework, POO, banco de dados, etc. Desenvolva projetos, brinque em sites de desafios técnicos, leia livros, e assim por diante. Programação é uma atividade de prática deliberada. Você não aprende a programar sem praticar.

Nas entrevistas técnicas valem as mesmas dicas da entrevista convencional que mencionei acima. Mas vale alguns complementos:

  1. Alguns recrutadores fazem algumas perguntas que não possuem resposta correta ou possuem várias respostas satisfatórias. O objetivo dele não é a resposta e sim o desenvolvimento dessa resposta. Como você pensou para chegar a ela.
  2. Pense em voz alta. O recrutador não lê a sua mente e o seu raciocínio oferece dicas valiosas para ele te avaliar bem (ou te dar um feedback mais completo em caso de rejeição).
  3. Toda solução para um problema tem aspectos positivos e negativos. Ter consciência disso vai te ajudar bastante.

Aprovação e Feedback

Terminando as entrevistas e os testes a gente chega na fase final de aprovação e feedback. Nessa etapa é comum acertar os últimos detalhes sobre a vaga, empresa e candidato. Coisas como cargo, salário, carga horária, time, projetos, etc. entram na conversa.

Algumas empresas oferecem um momento para que o candidato faça perguntas. Prepare-se de antemão para essa oportunidade. Monte uma lista de perguntas que demonstre o seu interesse na empresa, no produto, no mercado, na vaga, no time, nos projetos, nos processos, nas finanças, etc. Pesquise sobre a empresa e as tecnologias usadas na Internet e anote umas perguntas.

Se a empresa não seguir adiante com o processo, é legal você solicitar um feedback técnico do recrutador. Peça, educadamente, indicações de material de estudo, quais pontos precisam ser melhorados, quando você poderá aplicar para uma vaga novamente, etc.

Por fim, é importante lembrar que, às vezes, o salário não é tudo. É legal pesar isso. Se você é uma pessoa que gosta muito de dinheiro, realmente buscando isso, vá atrás de empresas grandes. Mas se você está buscando uma empresa mais familiar, onde você vai ter um ambiente de trabalho mais legal, não vai ter tanto estresse, às vezes vale a pena pesar um pouco isso na balança.

Enfim, essas são algumas dicas que eu acredito que podem te ajudar na sua busca por um emprego em uma empresa de tecnologia. Espero que você tenha sucesso em sua jornada. Boa sorte!


Comments

O espaço abaixo é todo seu…