Categorias
Geral

Ensinando Testes

É possível ensinar desenvolvedores a escrever testes automatizados? É possível aprender a testar em um curso ou lendo um livro?

Depois de algum tempo escrevendo código com testes automatizados eu comecei a considerar que cursos e livros sobre esse assunto fossem sempre um tipo de “falcatrua”. Achava que ensinar a fazer testes não fazia muito sentido.

Mas quando abri minha empresa de consultoria e treinamento eu recebia vários pedidos de clientes para ministrar um “Curso de TDD” para suas equipes. Então resolvi desenvolver esse curso.

Só uma observação: eu uso teste automatizado e não ao longo desse texto porque é importante saber que TDD é uma técnica de desenho e modelagem de código que usa testes automatizados mas tem muito software com testes automatizados que não foram criados com TDD.

Voltando para o curso…

O curso ficou bem legal e os slides estão disponíveis gratuitamente hoje em dia, já que não vendo mais ele e nem tenho mais a minha empresa.

Ter desenvolvido esse curso mudou a minha visão sobre ensinar testes com cursos e livros? Não mudou.

Prática vs. Perfeição

Eu continuo achando que só é possível aprender a escrever testes na prática. E durante o curso, como vocês podem ver nesse slide, eu menciono isso para não alimentar falsas expectativas de que cada aluno ali seria um “mestre dos testes” após concluir o meu treinamento.

Eu estabeleci um paralelo entre aprender escrever testes com aprender uma arte marcial. E usei a figura do Sr. Miyagi ensinando caratê pro Daniel San (ok, eu sei que sou velho mas me recuso a usar a figura do tira-casaco/coloca-casaco que ensinava Kung-Fu).

E, tal como nas artes marciais, você não aprende a escrever testes em livros e cursos.

Resolvi estabelecer uma proposta “ousada” para o curso: não ensinar a escrever testes.

No lugar disso o curso daria uma fundamentação sobre o que é teste, pra que servem, a importância deles, e desmistificaria algumas bobagens que dizem sobre eles (ex. cobertura de 100% é essencial, código com testes não tem bugs, etc). Depois a gente teria algumas atividades práticas controladas (as tão temidas “dinâmicas”).

Em uma dessas dinâmicas eu criava uma atividade parecida com a de um Coding Dojo com os alunos. O problema em todas as turmas era sempre o mesmo: converter números para algarismos romanos.

Essa dinâmica baseada em Coding Dojo servia muito bem no processo seletivo de uma outra empresa onde trabalhei mas isso é assunto para outro artigo.

Eu observava a dinâmica mas não trabalhava no problema. Eu tomava nota de algumas coisas da atividade e, no final, a gente discutia o que havia acontecido de errado, o que tinha dado certo e eu ia encaixando os tópicos de TDD para serem ilustrados pelo que eles experimentaram.

Depois disso a gente passava por mais alguns fundamentos e retornávamos para a prática.

A segunda atividade era escrever um encurtador de URLs completo na linguagem/framework que a empresa usava ou com o qual a maior parte da equipe estava mais familiarizada.

Nesse momento a gente aprendia como organizar melhor os testes, como usar as ferramentas de teste e até como fazer TDD. Essa atividades levava de 1 a 2 dias e eram feitas em duplas (pair programming) que eram trocadas a cada 2 horas (o critério de troca era misturar abordagens das diferentes duplas com programadores(as) diferentes).

Por fim eu indicava alguma literatura complementar (majoritariamente como referência) porque obviamente eles aumentam a sua compreensão sobre testes automatizados mesmo não sendo a fonte principal de aprendizado.

Uma curiosidade sobre a dinâmica do Coding Dojo com o problema dos algarísmos romanos: eu ministrei esse treinamento para 5 turmas diferentes. Das cinco turmas que trabalharam no problema, cada uma delas entregou solução completamente diferente umas das outras. Todas funcionavam e atenderiam tranquilamente requisitos de performance, uso de memória, etc. Engraçado notar como pessoas e times possuem perspectivas tão distintas sobre os problemas apresentados.

Não é fácil mas é possível

Infelizmente é impossível aprender a escrever testes sem praticar. Mas eu garanto que vale a pena tentar.

Vai ser frustrante e lento no início mas depois as coisas aceleram.

E entenda que o seu “caratê” vai ser bem ruim no começo e, talvez, no futuro, ele fique ótimo. Você pode até chegar à faixa preta mas atingir a perfeição é impossível.

Por conta dos seus testes serem ruins no começo eles vão gerar um grande esforço de manutenção. Aquele refactoring ou bugfix “trivial” vai te garantir horas de reescrita de testes. Desistir vai parecer uma ótima ideia nessas horas. E é aí que você vai precisar perseverar. Entenda que isso acontece porque seus testes ainda não estão muito bons (ou ainda que o seu código sendo testado precise de algumas melhorias).

E quando você não conseguir mais programar sem testes você vai ver que valeu a pena.