Mercado saturado: isso importa?

Esse artigo saiu inicialmente na O Melhor da Internet.

Como me envolvi em vários eventos voltados para empreendedores nos últimos anos recebo e-mails de várias pessoas que pretendem desenvolver seus próprios empreendimentos. O perfil dessas pessoas geralmente é formado por programadores ou freelancers que tiveram uma idéia e querem desenvolve-la até que ela se torne um negócio.

Recebo vários tipos de perguntas mas tem um tipo que me chama a atenção: “Você não acha que esse mercado está saturado?”.

Essa pergunta me chama a atenção porque, por trás dessa aparência inocente, ela tem várias subquestões importantes como: mercado “oceano azul” vs “oceano vermelho”, mercado global vs local, ineditismo vs copycat, etc.

Ineditismo

Dia desses um amigo chegou com uma ideia interessante e disse que ia começar a desenvolve-la. Algum tempo depois eu fui perguntar pra ele como estava o andamento do projeto e ele me respondeu: “Ih! Desisti da ideia. O Google implementou um produto ‘igualzinho’.”.

Eu achei a resposta interessante porque parece que as pessoas se esquecem que já existiam buscadores antes do Google 🙂 O que o Google fez para alcançar o domínio nas buscas foi criar um produto que funcionava melhor que os concorrentes.

Mesmo com esse ótimo produto eles tem os seus concorrentes em buscas específicas como busca de ofertas (ex. Buscapé no Brasil), busca de estabelecimentos locais, etc. Eles tem concorrência até mesmo para o produto principal: DuckDuckGo (a participação de mercado é menor mas mesmo assim a empresa já é lucrativa).

Quando uma grande empresa grande e poderosa resolve atacar no mesmo mercado e com um produto parecido com o seu significa que você, provavelmente, está com um bom projeto nas mãos! Essa concorrência deve ser encarada como uma validação positiva da sua idéia e não uma coisa para se lamentar. Eu sempre desconfio de empreendedores com idéias “que ninguém mais teve”.

Outro exemplo: nós, programadores, conhecemos os serviços de hosting de código Github e Bitbucket, certo? Eles são os mais famosos e o Github é o maior player nesse mercado. Quando o Github nasceu o Google já tinha o Google Code Hosting.

Mesmo assim colega resolveu criar um serviço desses e cobrar $9/mês para as pessoas usarem. Nasceu o Codeplane. O Codeplane nasceu porque ele tinha uma necessidade que não era atendida pelo Bitbucket/Github de forma satisfatória: ter dezenas de projetos pequenos para hospedar em repositórios privados.

O Github cobra por cada repositório privado, logo, o custo seria enorme. O Bitbucket, na época, limitava o número de repositórios privados em apenas 5 por usuário. No Codeplane não. Você poderia ter quantos repositórios privados precisasse. O único limite era o espaço de armazenamento total.

Ele criou um serviço útil para ele e para várias pessoas e ganhou dinheiro com isso. Independentemente dos “cachorros grandes” desse mercado.

Diferenciais

Uma coisa que é importante ter num mercado onde existe concorrência é o diferencial. O Google tinha como diferenciais a qualidade nos resultados das buscas e a velocidade com que elas eram feitas. O Codeplane tinha uma forma de cobrar diferente dos concorrentes. O DuckDuckGo também tem seus diferenciais.

O simples fato de ter um serviço adaptado para a realidade brasileira, por exemplo, pode criar um diferencial. Mas tenha em mente que esse diferencial pode ser pequeno demais para impedir seus concorrentes de atacarem seu mercado.

Copycats

Criar um produto similar à outro pré-existente e colocar alguns diferenciais nele é bacana. O “copycat” puro e simples não é.

O problema do copycat é que os seus clientes usarão o seu serviço até descobrirem o “original”. Se a empresa que fez o original for mais “poderosa”, provavelmente, terá condições de melhorar o produto deles num ritmo muito mais acelerado que o seu. Isso te deixaria para trás muito rápido na corrida pelo mercado.

Oceano Azul vs Oceano Vermelho

Existe um livro chamado “A Estratégia do Oceano Azul” (W. Chan Kim, Renee Mauborgne) que descreve o mercado como oceanos. Existe um oceano cheio de tubarões (concorrência) onde a briga entre eles é tão grande que tinge as águas de vermelho. E existem outros oceanos bem menos concorridos onde as águas ainda são azuis.

O objetivo de todos os empreendedores que estão começando deveria ser o de navegar por oceanos azuis. Com pouca concorrência. Para fazer isso o livro sugere que segmente o mercado de maneiras diferentes e ofereça valores também diferentes para esse mercado.

Analise os atributos de valor que os seus concorrentes oferecem para os clientes e tente realçar/eliminar alguns deles de modo a ter um produto único e diferente que sirva para pessoas que estão em mercados ainda inexplorados.

Global vs Local

Em vários artigos que falam sobre como começar um negócio você vai ler sobre “a necessidade de adaptar o produto para a realidade brasileira”. Não tem nada de errado com essa estratégia e ela pode até ser boa porque, inicialmente,  diminui os riscos do negócio.

Mas eu acho que devemos nos arriscar mais e parar com esse pensamento pequeno. Com a Internet e os negócios voltados para tecnologia o custo de iniciar certos serviços em escala nacional ou global é muito parecido. E, me perdoe pela obviedade, o mercado global é muito maior que o brasileiro.

Se a gente falar de um negócio que só adapta um que já existe em outro país a coisa fica ainda pior. Pode ser questão de (pouco) tempo para que a empresa global adapte o seu produto para a realidade brasileira e venha competir com você aqui no Brasil.

E aí será uma briga de uma empresa local contra uma empresa global. É bem mais difícil ganhar essa briga, não acham?