Foto de um nível de bolha indicando que ele está nivelado

Nem certo e nem errado

Se tem uma área do conhecimento onde os debates são quase sempre bem acalorados, essa área é a do desenvolvimento de software. Tem todo tipo de disputa, das mais bobas como Tab vs. Espaço, temas claros ou escuros, 80 colunas ou não, etc. até as mais complicadas: tipos estáticos ou dinâmicos (ou qualquer variante doida), OO ou funcional, código aberto ou software livre, etc.

Em comum com todas essas discussões é a tendência entre os debatedores de apelar para conclusões binárias: “é isso aqui ou está errado.”

Essa postura também aparece quando as pessoas que estão habituadas a um conjunto de conceitos precisa se adaptar a outros conceitos. Um exemplo: a pessoa que usa Windows (ou Linux) reclamando do botão de maximizar janela do macOS. Ela com certeza vai reclamar e dizer que aquilo está errado. Mas se você lembrar que a primeira empresa a lançar uma interface baseada em janelas para o grande público foi a Apple e só depois o Windows e o Linux surgiram fazendo diferente, quem está “errado” nessa história?

No meio do desenvolvimento de software, talvez porque computadores eletrônicos que usamos sejam binários, adoramos a segurança das respostas absolutas. Isso é certo. Aquilo é certo. Isso é errado. Aquilo é errado.

No mundo Python onde eu trabalho tem até um termo (que eu detesto) para isso: pythônico. Todo mundo ouve, mas ninguém sabe o que é.

Mas o tempo me ensinou que as coisas podem simplesmente “ser”. Nem certas e nem erradas. Provavelmente diferentes, provavelmente similares.

Indiferente das alternativas se parecerem ou não, uma coisa é certa: cada uma das opções tem os seus pontos favoráveis (prós) e seus pontos desfavoráveis (contras). E, quando escolhemos uma opção, temos que renunciar às outras. É a tragédia (e a beleza) da vida.

Entrevista de emprego

Toda essa introdução serviu para falar sobre uma coisa que eu sempre faço quando estou entrevistando um candidato para uma vaga: perguntas específicas com poucas alternativas de respostas onde nenhuma das alternativas é certa ou errada.

Vou dar um exemplo com a minha famosa pergunta sobre ORMs.

Um ORM (Object-Relational Mapper) são softwares que servem para conectar o mundo dos objetos em um sistema orientado a objetos aos registros (linhas, tuplas, etc.) de um banco de dados relacional.

Esse tipo de software é bem complicadinho de se escrever porque o modelo relacional tem algumas diferenças fundamentais com o modelo orientado a objetos e lidar com essas diferenças sempre força o desenvolvedor a fazer certas escolhas em detrimento de outras.

Não vou detalhar muito essas diferenças e nem as alternativas aqui porque elas não são tão importantes para a pergunta e nem para a resposta, mas recomendo a leitura dos artigos que falam sobre esse tópico. Certamente vai te tornar um programador melhor.

Quando estou com o candidato eu mando um diálogo parecido com esse:

— Você sabe o que é um ORM?
— [se o candidato disser que não, eu pulo para outra pergunta parecida, senão eu prossigo… se o candidato estiver meio nervoso, eu também aviso que a próxima pergunta não tem uma resposta certa e nem errada e que eu só quero entender como ele pensa sobre programação orientada a objetos].
— Suponha que eu te peça para implementar um ORM em Python para usarmos em nosso sistema e eu te mostre dois ORMs diferentes para você se inspirar (ex. Django, SQLAlchemy). Tudo bem?
— Sim… entendo…
— No ORM do Django, se eu quero persistir um objeto no banco de dados, eu faço: modelo.save(). Mas no SQLAlchemy, se eu quero fazer o mesmo, eu faço algo parecido com storage.add(modelo). Ou seja, no Django o método que persiste o modelo no próprio modelo e no SQLAlchemy a responsabilidade de persistir o modelo é do objeto Storage. Qual desses modos você escolheria?

E aí o candidato teria algumas opções de resposta:

  1. Não sei, preciso estudar mais as opções: boa resposta, mostra que entrei num assunto que ele desconhece, mas que ele tem interesse em se aprofundar.
  2. Eu faria igual ao Django: resposta boa. Mas me leva à linha de contestar a escolha e perguntar se não seria responsabilidade demais para o objeto modelo cuidar das regras de negócio e da persistência dos dados no banco?
  3. Eu faria igual ao SQLAlchemy: resposta boa também. Mas eu contestaria a escolha perguntando se a opção do Django não seria mais simples e conveniente para o uso mais comum onde precisamos somente gravar um objeto no banco sem ter que se preocupar com storages e afins?
    • Algumas vezes recebi boas respostas onde o candidato implementaria o ORM para funcionar no modo SQLAlchemy, mas implementaria um método helper .save() também nos modelos que faria algo do tipo: storage.add(self). Não posso negar que eu ficava bem feliz com essa resposta porque seria a minha resposta (mostrando que ela é a resposta certa 😛).
  4. Eu faria diferente de ambos e faria [assim]: pode ser uma resposta boa aqui, mas, na prática, eu nunca recebi uma alternativa muito consistente nesses casos. Quase sempre foram respostas que mostravam o desconhecimento do candidato sobre o que é e como um ORM funciona.

Notem que a pergunta é só um ponto de partida para entender como o candidato pensa e faz as suas escolhas quando está programando. Quando ele faz uma escolha e, portanto, uma renúncia, eu apresento sempre um contraponto à escolha dele para compreender se ele fez essa escolha porque ele julga ela a escolha certa e a outra errada ou se ele, de fato, ponderou as diferenças, prós e contras das opções apresentadas para dar a resposta.

Profissionais que sempre estão refletindo sobre seu próprio trabalho estão sempre em crescimento. Aqueles que estão presos aos seus dogmas e tradições sempre estarão limitados por conceitos colocados por terceiros como sendo o certo.


Comments

O espaço abaixo é todo seu…