Code Review e a Teoria das Janelas Quebradas

Foto: Jeffrey Pott

Na empresa onde trabalho temos o (bom) hábito de fazer Code Review no código dos projetos que desenvolvemos. A prática não é obrigatória mas todos os desenvolvedores gostam de ter seu código revisado.

Eu adoro revisar código alheio tanto quanto gosto de ver meu código revisado e, por isso, me esforço para dar pitaco em quase todos os projetos da empresa. Até em projetos de outras equipes.

Eventualmente eu entro em longas discussões com os outros programadores para que eles renomeiem variáveis ou até mesmo para que coloquem/retirem espaços em branco que violam o Coding Style da empresa. Como usamos Python nos nossos projetos, adotamos a PEP-8 com apenas uma ressalva relativa ao número de colunas por linha que acaba estabelecida apenas pelo bom senso de cada programador.

E eu sou muito chato com isso. Eu realmente implico com qualquer coisa que não me pareça certa. Não importam se são problemas críticos ou triviais: recebem a mesma atenção.

Existe uma teoria que afirma que as janelas quebradas de edifícios em uma região da cidade tem relação direta com a criminalidade nesta mesma região.

Eu acredito nessa teoria e, por isso, sou exigente nas minhas revisões. Faço isso porque acredito que um mero relaxo numa linha em branco dentro do arquivo pode evoluir para um desenho ruim de um módulo inteiro da aplicação.

Ok, admito, isso pode parecer exagero mas… e se não for? E se a teoria das janelas quebradas se aplica também no contexto do código fonte de uma aplicação?

Esse tipo de cuidado é ainda mais importante quando trabalhamos com linguagens de programação com tipagens dinâmica ou fraca, pois certas convenções de nomenclatura podem dizer muito sobre os tipos envolvidos em uma operação. Exemplo?

Uma função chamada get_user() retorna que tipo de objeto? Eu presumo que seja uma instância de um objeto representando um usuário (ex. User). Mas só consigo presumir isso pelo nome da função (ou me dando ao trabalho de ler e entender a sua implementação).

E a função get_users(), o que retorna? Presumo que seja uma coleção (collection) de objetos representando usuários, certo? Se o desenvolvedor descuidar dessas e de outras convenções o trabalho ficará bem mais complicado para os outros membros da equipe.

Certa vez eu encontrei um código que fazia algo parecido com isso:

user = self._get_user_from_credentials(request)

Conseguem perceber o que está errado? O método diz que retorna um usuário a partir de suas credenciais (ex. username, senha, …) e enviamos para ele um objeto do tipo Request? Pedi para corrigir o problema de uma das duas formas:

  1. passando as credenciais do usuário para o método ou;
  2. renomeando o método.

Optaram por renomear o método e o código ficou assim:

user = self._get_user_from_request(request)

Note que é um método protegido (em Python o prefixo ‘_’ é usado para informar que o método em questão não deve ser chamado externamente) e, por isso, não seria um problema muito grave manter o nome antigo. Mas mantendo como estava deixariamos uma janela quebrada em nosso código.

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano