“Ondas” tecnológicas

Já é de conhecimento de todos que trabalho com computação já faz muito tempo. Vi muitas ondas passarem.

Quando comecei com BASIC em máquinas de 8bits vi a primeira onda chegar… eram as linguagens estruturadas. Linguagens “procedurais”… código sem GOTO, etc. Quem programava só em BASIC e não conhecia esse “novo paradigma” (aspas propositais) estava fadado ao fracasso e ao ostracismo. Não mereceriam ser chamados de programadores.

Parti para a luta e fui aprender Pascal, C e/ou Clipper.

Ondas tecnológicas

Assim que dominei esse “novo paradigma” avistei outra “nova onda”: Programação Orientada a Objetos.

Essa foi uma das primeiras grandes ondas que contaram com apoio de Marketing de grandes empresas. Lembro-me de ler sobre “orientação a objetos” até em jornais de bairro (hipérbole detectada!). E mais uma vez fui convencido de que se não dominasse esse “novo paradigma” eu estaria fadado ao esquecimento.

Então comecei a estudar o assunto e no meu entendimento inicial (e duradouro) uma “classe” nada mais era do que um “struct” (ou RECORD) com esteróides. Ainda existem registros da minha primeira incursão nesse novo mundo. Eu só fui entender melhor OOP recentemente.

Outra onda que “bombou” mais ou menos na mesma época era a dos bancos de dados relacionais (SQL e afins). Mas eu não tinha muito contato com esse mundo que era restrito às “elite$”.

E com OOP e SQL essas empresas de marketing que, eventualmente, produziam software começaram a ganhar rios de dinheiro vendendo “gelo para esquimó”.

A tecnologia dos computadores surgiu para empresários em mensagens como: “Se sua empresa não usar OOP ou SQL você (perderá dinheiro|será devorado pela concorrência|será feio e bobo).” — (IBM|Gartner|Oracle)

Os empresários eram completamente ignorantes sobre esses assuntos e, num ato de fé, acreditavam em tudo o que as “IBMs” diziam. Afinal elas ficaram grandes e ricas por lidar com tecnologia, certo? Conseguem detectar a falha primordial nesse raciocínio?

Esse tipo de mensagem juntamente com a outra que dizia: “ninguém é demitido por ter escolhido IBM” fez muito bem para o lucro dessas empresas.

Naquela época isso fazia sentido, afinal, os computadores não faziam parte da vida de todo mundo. Tecnologia e mágica eram sinônimos. Mas hoje isso não deveria mais ser assim. A fábrica de “hypes” continua funcionando e os empresários e profissionais da área continuam investindo em tecnologias “da moda” apenas por estarem na moda.

Outras “ondas” movimentaram e ainda movimentam o mercado e com certeza não lembrei de todas: OpenSource, Java (J2EE), XML, NoSQL, Cloud, metodologias de desenvolvimento (ágeis ou não), Big Data, Internet of Things, Frontend/Backend engineering, etc.

Para cada uma delas temos defensores (não é uma onda! é realidade! olha só isso aqui!) e detratores (isso é hype! isso não funciona!). Ambos estão certos e errados.

Meus amigos devem estar pensando: “Mas ele é o cara que mais compra esses hypes! Andava com uma camiseta ‘você ainda usa banco de dados?’!”.

Eu, de fato, acompanho todas essas ondas. Cada uma delas acrescenta algo na minha caixa de ferramentas. Sempre que vejo uma delas chegando já vou logo dando uma chance pra elas se provarem úteis. Mas isso não significa que vou adotá-las em tudo o que farei e que as coisas antigas são lixo.

É o velho clichê: existem ferramentas certas para resolver cada tipo de problema.

Resolvi escrever isso pra que vocês possam refletir sobre a adoção racional de tecnologias. Usar critérios técnicos para a escolha e não ficar pegando jacaré em qualquer onda que aparece.

Outra coisa importante é não parecer bobo falando que você faz “Big Data” pra um cara que já processava toneladas de dados antes mesmo de terem cunhado essa expressão. Ou falar que usa NoSQL pra um cara que já usava Caché (kind of OODBMS), LDAP (hierárquico), ou Isis (schemaless).

Como vivi todas essas ondas eu saco logo que esses caras são mais “gogó” do que outra coisa.

Mantenham o foco em criar coisas boas que resolvam problemas importantes e escolham tecnologia usando critérios técnicos.

Ser proficiente numa linguagem é um critério muito importante mas ele deve ser considerado em conjunto com outros critérios (robustes, disponibilidade de recursos, etc).

Dia desses vi um anúncio procurando programador Clipper e pensei: esse contratante deve ter um excelente software. Deve ser um software tão bom e deve resolver problemas tão importantes que ele resistiu à várias ondas e não virou areia.

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano