Como começar em TI

Esse artigo é uma adaptação do meu vídeo no YouTube.

Com bastante frequência eu recebo pedidos de dicas de pessoas que pretendem começar a trabalhar em TI. Por conta disso eu reuni aqui várias dicas e recomendações para essas pessoas.

Tentei ser bem pragmático no plano. O objetivo dele é otimizar o caminho do zero ao primeiro emprego como iniciante. Eu falo só sobre o início do percurso e espero que consiga te preparar para decidir o restante do trajeto por conta própria.

Várias dicas que eu vou passar aqui foram acumuladas nos meus vários anos de experiência desenvolvendo software e participando de processos seletivos dos “dois lados do balcão”. É…! Já fui candidato para uma vaga várias vezes na vida e também já fui o contratante que escolhia os candidatos.

As dicas vão ser mais focadas na carreira de programador, mas algumas podem até servir para quem pretende trabalhar com outras áreas da tecnologia. Então se você pretende trabalhar com Data Science ou DevOps, tenta ver se tem alguma dica útil para você também.

Aprender programação não é Fácil. Mas é possível.

Bom galera, a primeira dica que vou dar é super importante e é pesada: não romantizem o trabalho de programador. Aprender a programar não! É! Fácil!

Balde de água fria, né? Foi mal aí… mas eu não poderia começar essas dicas sem mandar a real para vocês.

Diferente do que vocês vão ver nas propagandas de cursos e nos discursos de “coaches”, não é fácil aprender a programar. Você tem que estar preparado para investir muito tempo e dedicação nesse processo.

Mas por favor não me entendam mal! Eu não estou dizendo que você não consegue. Todo mundo consegue aprender a programar. Mas não tem como aprender a programar só lendo uns livros e fazendo uns cursos por aí. Cursos caros ou uma faculdade não te tornarão programador. Programar vai.

Só a prática deliberada da programação é que pode te tornar um programador.

Um livro ou um curso pode até te levar pelo começo da estrada e te ensinar como usar as ferramentas de programação, mas você vai ter que trilhar esse caminho por conta própria depois disso.

Como? Escrevendo muito código! Você precisa escrever muito código no processo porque esse é o único caminho que vai te ensinar a programar.

E vai ter vezes que vai ser frustrante. Outras vezes vai ser cansativo. Outras vezes vai ser desesperador. E algumas vezes vai dar medo. Mas mesmo assim você vai ter que seguir.

Mó papo de “coach” isso, né? Mas é a real.

E tem mais! Os primeiros códigos que você escrever vão ser uma tremenda porcaria… e tá tudo bem! É só jogar ele fora e tentar escrever outro melhor. Essa é a beleza do software, você tem matéria-prima infinita para trabalhar…

Seguindo por esse caminho, quanto mais tempo, foco e disciplina você tiver, mais rápido você se capacita para tentar uma vaga bacana.

Ah! E não importa o que aquele “guru de finanças e carreira” te disse: você não vai conseguir um emprego de programador sem se esforçar para isso. Provavelmente não vai ser rápido também. E provavelmente o salário não será no nível que eles prometem.

Não tem mágica e nem milagre. Se fosse fácil, não teria vaga sobrando, certo?

Tá, mas você deve estar perguntando: “Ok, mas quanto tempo vai levar para eu conseguir um trampo bacana?”.

Olha… não tenho uma resposta para essa pergunta. Depende muito de quanto tempo você dedicar todo dia para praticar e de um punhado de sorte.
Mas se você consegue se dedicar umas duas horas por dia, as coisas provavelmente vão caminhar mais rápido do que se você se dedicar duas horas por semana.

— Mas… dá para otimizar isso?
— Sim! Dá! Principalmente se você escolher bem os temas para focar seus estudos. Você não pode desperdiçar tempo com coisas que não serão úteis no início da sua carreira.

Ainda assim o processo todo pode levar um tempo considerável. E por isso eu gostaria de deixar a segunda dica: você não vai ganhar bem no começo!

Você não vai ganhar bem

— Orra! Você disse na abertura do vídeo que as vagas pagam bem e agora diz que a gente não ganha bem?
— Exato. No começo nem todo mundo ganha bem. Pode ser que você dê sorte, mas via de regra não é o que acontece com a maioria dos candidatos.

As vagas que pagam bem são aquelas para programadores mais experientes. E… óbvio… você não vai ter experiência no começo.

Pode acontecer que o salário de um iniciante seja maior que a sua renda atual. Nesse caso o seu salário inicial vai “parecer” alto, mas não necessariamente ele “será” alto.

Por conta dessa situação, eu daria a terceira dica: se você já tem um trabalho, continue nele.

Mantenha seu emprego

Se você já está trabalhando em algum lugar, mantenha esse emprego. Não assuma riscos altos sem motivo. Lembre o que eu disse: a vaga pode demorar para chegar.

Sei que é bem difícil ter ânimo para estudar programação depois de um dia cansativo de trabalho. Se esse for o seu caso, tente organizar seu dia para ter um tempo antes de começar o expediente. Uma horinha por dia já dá um adianto.

Se você aproveitar esse tempo, mesmo curto, para estudar computação da melhor maneira, as coisas vão funcionar.

E isso leva à quarta dica: Como estudar computação.

Estude

Como mencionei agora a pouco, se você acha que basta fazer alguns cursos para aprender a programar, você não poderia estar mais enganado.

Um curso de computação, geralmente, tem um conjunto de assuntos limitado e alguns exercícios prontos para você exercitar seus conhecimentos sobre o conteúdo apresentado.

No fim do curso você receberá um diploma dizendo que você consegue resolver os exercícios do curso. E eu te pergunto: isso te torna um programador desejável?

O trabalho de um programador é resolver problemas. Problemas com complexidades distintas, tamanhos diferentes, etc. O mundo real é muito mais complicado que o ambiente controlado de um curso de programação.

Aprender a programar exige que você procure por problemas que podem ser resolvidos com software e se arriscar a escrever seus próprios programas para solucionar eles.

Esses programas vão funcionar? É provável que, no início, não. Mas trabalhando em um programa ruim atrás de outro você vai entendendo o quê que funciona e o quê que não funciona.

Você aprende o que é bom e o que é ruim em contextos diferentes, aprende a encontrar bugs no seu software e resolver esses bugs, quebra a cabeça e se desespera até perceber que uma pausa e um pouco de descanso era tudo o que você precisava para terminar o projeto.

Ou seja, faça alguns cursos, mas, depois que você concluir alguns deles, tente se arriscar por conta própria e desenvolva seus próprios projetinhos.

Desenvolver esses projetinhos vai te ajudar agora e mais lá na frente quando algum recrutador pedir para você mostrar seu código para ele.

Se estiver sem ideia para projetos, é só olhar por perto e ver algumas coisas que você precisa no seu dia-a-dia… tipo um controle de despesas… ou no seu trabalho atual… tipo gerar um relatório no Excel.

Faça programinhas que te ajude em casa, na escola, no trabalho, no seu hobby, … qualquer coisa. E não se limite, planeje um sistema completo com todas as funcionalidades que você gostaria de ver. Mesmo que você não faça a mínima ideia de como desenvolver elas.

Você também pode procurar por listas com ideias de projetos na Internet:

Forme uma rede de suporte

Enquanto você está nesse processo de aprendizado é sempre legal ter a ajuda de alguém. E é aí que vai a quinta dica: converse com outros programadores.

Tente sempre participar de eventos e encontros sobre as tecnologias que você está estudando. Comece seu networking dentro das comunidades de tecnologia.

Você evolui como programador conversando com essas pessoas e já vai cavando as suas oportunidades de trabalho desenvolvendo uma rede de relacionamentos no mercado.

Uma grande dúvida das pessoas que estão começando é sobre qual linguagem escolher? Qual framework? Backend? Frontend? Data Science?

A minha sugestão é: forme sua rede de suporte primeiro. Comece com as mesmas ferramentas que eles usam. Nesse momento você deveria estar preocupado em aprender a programar e não com o mercado de trabalho ou onde tem mais oportunidades.

Se você não souber programar em nada, nenhuma oportunidade servirá para você.

Foco

E pensando em comunidade, programadores e networking, eu já gostaria de puxar a sexta dica que eu considero uma das mais importantes e é aqui que a gente começa a realmente otimizar o processo: foco em uma única coisa por vez.

Quando você for pesquisar vagas para trabalhar, você vai notar um mar de opções. Tem vaga para Data Science, Desenvolvedor Junior, Pleno, Sr, DevOps, Security, Tech Lead, Java, Python, PHP, Javascript, Go, etc, etc. Um buzilhão de tecnologias em uma sopa de siglas e termos técnicos que pode deixar qualquer um em pânico. Você se pergunta:

— Será que eu vou ter que aprender essa p* toda? Eu estou f*!

E pode piorar! Quando você olha tudo isso, você pode cair na tentação de guiar seus estudos pelo que o mercado está pedindo:

— Ah! Ouvi que Python é melhor! Ah! Tem muito mais vaga de front! Ah! O esquema agora é Data Science para Machine Learn…

Isso é um problemão! Lembre que você tem vários fatores limitando o seu desenvolvimento, mas só um deles não tem como mudar: o tempo.

Melhorar o uso do seu tempo é fator principal para encurtar o período de transição da sua carreira.

Otimizar o uso do tempo é o fator principal para encurtar o prazo até o novo emprego.

Você não pode se dar o direito de desperdiçar seu tempo com distrações. Você precisa ser um sniper, e não o Rambo atirando para todo lado com uma metralhadora.

Então escolha uma única profissão e uma única pilha de tecnologia e mexa só com ela. Escolha ser “Programador de uma única linguagem” e foque nisso.

— Mas e se eu não gostar de ser programador?
— Depois você muda. Primeiro você vira alguma coisa. Depois você muda.

Se você quiser ser cientista de dados, você inicia o processo de migração já em um emprego que paga bem e com conhecimentos de programação que serão muito úteis na sua carreira como cientista de dados. Saber programar é uma habilidade que ajuda em várias profissões em tecnologia.

Ah! E repito: não se distraia com ofertas de emprego com outras tecnologias. Elas vão aparecer aos montes e você vai achar que escolheu a tecnologia errada sempre que ver qualquer vaga de outra linguagem. Acredite: tem vagas sobrando para todas as tecnologias. Você vai encontrar uma.

Além disso, conforme você for ganhando experiência com os fundamentos da programação você vai ver que aprender novas tecnologias e linguagens vai ficando cada vez mais fácil e rápido.

É tudo CRUD1

Já vimos uma dica para otimizar o tempo e a próxima dica, a sétima, é sobre otimização dos estudos: para se tornar um programador não é necessário dominar todo o campo da computação. Até porque isso é impossível.

Se você dominar bem o básico de alguns tópicos principais, já é possível desenrolar vários tipos de problemas de trabalho e, com isso, conseguir preencher uma vaga como programador.

Tem uma brincadeira entre programadores que diz que no fim das contas todos os programas são CRUD1. É uma super simplificação, mas não é totalmente mentira… a maioria do software é isso mesmo e saber fazer CRUD você já pode trabalhar com TI.

Os tópicos que te preparam para construir softwares completos podem variar um pouco dependendo do tipo de vaga que você está procurando, mas se você aprender a:

  • Programar em uma linguagem de programação como Python, JS, PHP, Go ou Java;
  • Modelar software Orientado a Objetos (ou software funcional em uma linguagem funcional);
  • Usar algum framework dessa linguagem;
  • Modelar tabelas em bancos de dados relacionais e fazer queries SQL;
  • Usar e criar APIs/Websites (ao menos) com protocolo HTTP/REST;
  • Usar ferramentas de desenvolvimento como Editor de Texto ou IDEs, git, Docker e ter familiaridade com terminal Linux/Mac;

… você já está pronto para as batalhas e já consegue preencher bem a grande maioria das vagas para programador Junior do mercado.

Parece muita coisa, né? E é haha 🤷🏻‍♂️

Mas se você consegue lidar com esses tópicos, você já cobre a grande maioria dos conhecimentos necessários para desenrolar o trampo. Fazer CRUDs e tal…

E também não precisa ser “mestre” em todos esses tópicos. Sabendo preparar um arroz com feijão com cada um deles já tá de bom tamanho. No início! Para evoluir na carreira tem que dominar bem todos eles e mais alguns outros.

Outro conhecimento que é muito útil e importante, mas não tem relação com computação, é o inglês. Saber ler em inglês é a coisa que mais vai te ajudar a estudar isso aí tudo. Não é uma obrigação porque dá para “quebrar galho” com tradutores automatizados, mas, como o nome diz, isso é só um “quebra galho”.

No fim desse artigo eu coloquei algumas indicações de estudo e leitura. Infelizmente nem todas as indicações estão em português e boa parte delas é recomendação de leitura porque é o meu jeito favorito de estudar. Se você conhecer outros conteúdos em outros formatos, deixa aí nos comentários.

Muito bem, todas as dicas agora serviram para te ajudar a otimizar o processo de aprendizado, mas e a vaga? E o emprego?

Aplique para as vagas

Pois bem, a oitava dica é: aplique para as vagas. Só isso mesmo… brincadeira… Aplique para todas as vagas que você achar interessante. Mesmo para aquelas que você não atende aos requisitos. Se a vaga pede algum tipo de teste prático, é ainda mais legal.

Cuide só para não aplicar para vagas demais e acabar atrasando o desenvolvimento dos testes práticos. Sempre que eu estou aplicando para muitas vagas, eu gerencio o fluxo das atividades em um quadro no Trello para não me perder nas tarefas. No artigo Conseguindo um emprego em TI eu falo muito mais detalhadamente sobre esse assunto.

Se você estiver se sentindo confiante, também pode tentar pegar alguns servicinhos tipo freelance em sites dedicados à isso. Tem vários e como nunca usei nenhum deles não vou indicar nenhum específico. Busque no Google e procure referências com alguém que tenha trabalhado com esses sites.

Outra coisa para tomar cuidado é: tem umas poucas empresas ‘falcatruas’ que colocam trabalho de verdade como se fossem testes. Se o teste é fechado e os caras não são muito transparentes sobre o que farão com ele: desconfie.

É importante lembrar que, mesmo que você não passe no processo, você treinou e ainda pode receber um feedback da empresa com dicas para te ajudar na priorização dos estudos.

Ah! E você vai reprovar em muitos processos. Sei que é difícil, mas, não desanime. E, se der certo e você for contratado, já sabe, conta pra gente!

Se puder, faça (ou termine a) faculdade

A última dica é bônus porque, diferente das outras, essa pode não servir para todo mundo: se você está na faculdade, continue. Mesmo se ela não for de TI.

É muito comum, em TI, trabalhar com programação mesmo sem ter diploma. Por conta disso, tem muito “guru” recomendando que você abandone a faculdade para focar em estudar programação.

Se você não consegue se manter na faculdade por algum motivo, tudo bem. Mas se não for esse o caso, continue. As estatísticas mostram que pessoas formadas tem mais oportunidades e renda maior no mercado. Para quê abrir mão disso, não é?

Então essas são as dicas para você que quer mudar de área. Boa sorte na jornada e se precisar de ajuda manda nos comentários.

  1. Sistema Operacional e Ferramentas (Linux/MacOS, editor de textos, git, terminal, shell e linha de comando, etc)
    1. https://osantana.me/tutorial-linux/
    2. Livro: Programação Shell Linux – https://amzn.to/3GJroMK
  2. Linguagem (dê preferência em linguagens que você tenha amigos que programem. Se não tiver nenhuma vá de Python ou JS porque a quantidade de material gratuito é enorme)
    1. Livro: Introdução à Programação com Python: https://amzn.to/3NfMyEy
    2. Canal Youtube: https://www.youtube.com/c/dunossauro
    3. Livro: Fluent Python https://amzn.to/38LU5fu (intermediário/avançado)
  3. Modelagem e programação Orientada a Objetos
    1. Livro: Object Oriented Python: https://amzn.to/3FbNlTT (Python)
    2. Livro: Building Skills OO Design Book: https://slott56.github.io/building-skills-oo-design-book/build/html/index.html (Python/gratuíto)
    3. Livro: Sams Teach Yourself Object Oriented Programming in 21 Days https://amzn.to/3MkaiX6 (Java)
    4. Livro: Head First Object-Oriented Analysis and Design https://amzn.to/3NQZikZ (Java)
    5. Livro: Fundamentos do Desenho OO com UML https://www.estantevirtual.com.br/livros/meilir-page-jones/fundamentos-do-desenho-orientado-a-objeto-com-uml/3383501357 (avançado/fora-de-impressão)
  4. Web/HTTP/REST API:
    1. https://developer.mozilla.org/pt-BR/docs/Web/HTTP – Tutorial HTTP Web API da MDN (tem vários outros tutoriais bacanas sobre Web nesse site… dá uma passeada nele…)
    2. https://restfulapi.net – site que fala sobre APIs REST (HTTP). A parte que fala sobre hipermedia/HATEOAS você pode pular porque ninguém usa isso  
    3. https://github.com/Developer-Y/cs-video-courses#web-programming-and-internet-technologies – cursos completos sobre programação web
    4. https://www.slideshare.net/osantana/a-web-uma-api essa é uma apresentação que eu fiz online (infelizmente não tenho video dela). Ela é um pouco mais avançada mas acho que o comecinho dela pode ajudar.
    5. https://www.slideshare.net/osantana/contruindo-um-framework-web-de-brinquedo-s-com-python – essa é uma outra apresentação que fiz onde eu crio um framework web em Python. Essa é avançada mesmo. Deixe ela por último.
  5. SQL e modelagem de Banco de Dados Relacional
    1. Livro: Introdução a Sistemas de Bancos de Dados https://amzn.to/3xcgU5t (livro muito completo e não fala de nenhum banco de dados específico)
    2. Livro: PostgreSQL Up & Running https://amzn.to/3ah8iRW (esse foi o que li para aprender mas tem outros livros que também parecem bons da editora Novatec e Casa do Código)
  6. Programar, programar e programar mais
    1. https://github.com/practical-tutorials/project-based-learning#python – ideias de projeto para colocar em prática o que aprendeu
  7. Continuar estudando pra sempre
    1. https://roadmap.sh – Esse site aqui tem vários roadmaps de carreira. Siga pelo de Backend e depois pelo de Python. Os roadmaps são assustadoramente grandes mas não se desespere porque não precisa ir atrás de tudo aquilo (nem eu sei tudo o que está neles). Siga as caixinhas com um “check” roxo e foque em 5 grandes tópicos. Foque só neles e não se distraia com outras linguagens ou tecnologias nesse momento.

[1] CRUD é uma sigla para Create (Criar), Read (Ler), Update (Atualizar), Delete (Remover) que são as operações básicas que fazemos em qualquer sistema de cadastro.

Imagem destacada: (c) 2013 http://www.exampapersplus.co.uk/


Comments

O espaço abaixo é todo seu…