Linguagens de Programação Diferentes: Cada macaco no seu galho

Foto: Max Sang

Frequentemente encontro com pessoas que já programam em uma linguagem de programação e começam a reclamar de outras linguagens de programação. Falam que a linguagem “Foo” é ruim por causa disso ou daquilo.

Essas pessoas confundem qualidade com característica. Uma coisa não pode ser considerada ruim simplesmente porque ela é diferente de algo que você gosta.

Linguagens de programações diferentes são isso mesmo: diferentes. Você não pode esperar que uma linguagem que você está aprendendo agora seja igual à que você usava anteriormente. Se fosse assim você não estaria aprendendo uma linguagem nova, não é?

Se você usa Java (ou C, ou Pascal, ou …) e gosta muito das características dela, use-a. Se você gosta somente de um subconjunto de características busque uma linguagem que tenha esse mesmo subconjunto de qualidades e que acrescente algo de bom.

Se você gosta da performance obtida com um programa em C e está disposto a pagar o preço de ter que gerenciar memória “na mão”, cuidar da portabilidade de seu código “na mão”, lidar com ponteiros voadores e vazamentos de memória, colocar “;” no final de cada linha do código fonte, declarar o tipo das variáveis e usar braces, fique com C. Se você gosta disso tudo significa que você não precisa de outra linguagem de programação para trabalhar.

Se você usa Java, está interessado em empregabilidade, gosta de usar um palavreado recheado de buzzwords, acha que certificações são importantes, gosta de declarar tipo de tudo, gosta de lutar contra o compilador, usa XML até em cartão de visita e gosta de empilhar 50 decorators para abrir um arquivo texto, continue com Java.

Python é uma linguagem de programação diferente de C e de Java. Até tem algumas semelhanças, mas são poucas. Portanto se quiser aprendê-la tenha isso em mente e não fale mal dela porque ela é diferente.

Em Python você não usa braces como em C ou Java e isso não faz dela nem melhor e nem pior que outras linguagens. Em Python você também recebe “self” como parâmetro dos métodos e isso não a torna menos OO ou mais OO do que as outras. Também não precisa de “;” no fim de cada linha (e dai?).

Em Python não precisamos declarar o tipo dos identificadores porque a resolução de tipos é feita em tempo de execução. Isso é diferente de Java, por exemplo, e é pior para alguns casos e melhor para outros. Tem gente que gosta e tem gente que não gosta. Se você não gosta, paciência, porque eu gosto. Java também tem seus “privates“, “protecteds” e “publics” e Python não tem. É pior? É melhor? Nada disso. É diferente.

Enfim, Python tem seus defeitos e suas virtudes e esse conjunto de características que fazem dela “Python”. Se ela tivesse todas as características de C ela se chamaria “C” e se as caracterísicas fossem de Java ela se chamaria “Java”.

Além das características sintáticas e semânticas as linguagens carregam consigo uma certa carga de “estilo de programação”. Se você usar o “estilo de programação” C para programar em Python você não vai aproveitar as vantagens dessa linguagem nova.

Dependendo do caso você vai ter a sensação de que a linguagem é ruim onde na verdade você é que não está utilizando-a corretamente. Portanto antes de criticar a linguagem que você está aprendendo agora, pergunte-se se você está usando ela corretamente. Talvez você esteja martelando um prego com alicate e reclamando que o alicate é uma porcaria.

Gostou desse artigo?

Assine a minha newsletter quinzenal e receba artigos sobre Programação, Python, Django, carreira e empreendedorismo.

[mc4wp_form]

Publicado por

Osvaldo Santana

Desenvolvedor Python e Django, Empreendedor, dono de uma motocicleta esportiva, hobbysta de eletrônica, fã de automobilismo e corinthiano